Quadrinho nacional: Entrevista com Beto Skubs

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

0 Flares Filament.io Made with Flare More Info'> 0 Flares ×

Quadrinho nacional: Entrevista com Beto Skubs

Hoje temos o prazer de trazer pra vocês a entrevista com Beto Skubs. Skubs é se formou em Rádio e TV em 2004 e hoje estuda na UCLA, considerada a melhor escola de roteiro do mundo. Escreveu curtas apresentados no Brasil e Estados Unidos e recentemente lançou juntamente com Marcelo Maiolo e Rafael de Latorre a HQ Fade Out: Suicídio sem dor. Bom vamos ao que interessa, pois não há ninguém melhor do que o próprio Skubs para se apresentar:

Confira agora a entrevista com Beto Skubs

Pra começar, pra quem não te conhece e ainda não viu seu trabalho, fale um pouco sobre você e o que já fez até o momento:

Sou roteirista e produtor. Me formei em Rádio e TV em 2004. Ganhei prêmios de Melhor Filme e Melhor Roteiro no Festival Jaguatirica em 2002, além de Melhor Argumento de Rádio e Melhor Programa de Rádio. Fiz uma série de curtas nessa época, que eu escrevi, dirigi e produzi.

Escrevi um curta-metragem lançado em 2011, “Viver Outra Vez”, que ganhou prêmio de melhor filme no Festival de Paraíso. Esse curta foi dirigido por um norte-americano, Thomas Hale, e produzido pelo meu sócio, Marcio Rosario (que também é ator, tendo inclusive atuado em Os Mercenários). O curta foi exibido em vários festivais no Brasil e nos Estados Unidos.

Em 2011 ganhamos o edital do Proac para Histórias em Quadrinhos. Foi com esse prêmio que fizemos o Fade Out.

No mesmo ano, ganhei uma bolsa CAPES-Fulbright para estudar roteiro de cinema nos Estados Unidos. Passei na UCLA, considerada por muitos a melhor faculdade de roteiro de cinema do mundo, onde estou agora.

Tenho também em desenvolvimento um seriado policial de ação aí no Brasil, chamado Operação (X), e um longa metragem baseado no curta “Viver Outra Vez”.

Recentemente você escreveu a HQ Fade Out. Pretende atuar novamente com quadrinhos?

Sim. Gostei muito da experiência. Foi algo novo pra mim, nunca tinha trabalhado com quadrinhos antes, e certamente pretendo repetir. O entrosamento com o Rafael na hora de adaptar o roteiro foi show, foi um trabalho difícil, mas muito legal. Estou tentando conciliar os projetos e estudo agora, mas tenho algumas ideias de projetos que gostaria de desenvolver como HQ.

O que te fez querer trabalhar com roteiro?

Sempre gostei de ler e escrever, desde pequeno. Gostava das aulas de redação. Fui fazer faculdade de jornalismo, mas percebi que não era aquilo que eu queria escrever… Eu queria escrever ficção. Aí vi uns curtas feitos na faculdade de Rádio e TV e pensei que era aquilo que eu queria fazer. Já tinha escrito uns roteiros de curtas só de brincadeira, lido uns livros, e resolvi me dedicar mais ao audiovisual.

Tem algum roteirista no qual você se inspire? Ou que seja fã? E por que?

Gosto do Charlie Kaufman, porque é maluco e original. O Tarantino tem um estilo único que eu admiro. A maioria dos caras que trabalha com o David Fincher são ótimos, curto muito os filmes dele, principalmente Clube da Luta. Gosto de várias coisas do Kevin Smith também… Eu gosto de roteiros ágeis, dinâmicos. Gosto de bons diálogos. Não tenho preferência por gênero, gosto de boas histórias, principalmente se a história me faz pensar em coisas que eu não pensaria normalmente.

Além de roteirizarão tem interesse por mais alguma área como direção ou produção?

Eu sou sócio de uma produtora no Brasil, estamos tentando levantar alguns projetos por aí, mas quem cuida disso é o Marcio Rosario, meu sócio. Já dirigir, escrevi e produzi alguns curtas, e direção é algo que eu quero, um dia, poder me dedicar. Gosto de trabalhar com os atores, desenvolver personagens, ver as coisas tomando vida quando saem do papel. Quero muito dirigir mais pra frente.

Você hoje está na UCLA fale um pouco como é estar estudando em uma universidade tão renomada.

É sensacional! Aqui a gente tem contato constante com pessoas da indústria o tempo todo. Estamos sempre participando de eventos em Hollywood, conhecendo pessoas interessantes, abrindo portas. Já tive aulas e palestras com pessoas cujos filmes eu admiro muito. É muito prático, temos workshops de roteiro onde desenvolvemos um longa metragem a cada 10 semanas, além de aulas de produção, roteiros para drama e comédia de TV, etc. Gosto muito da TV americana. Em muitos sentidos, eles estão dando de 10 no cinema aqui.

Atualmente tem algum projeto rolando? Pode falar um pouco pra gente?

Tenho um seriado de TV em desenvolvimento por aí, chamado Operação (X). É um seriado ficcional, sobre uma equipe especial de polícia que lida com crimes de natureza especial… Mas não posso falar muito sobre isso ainda.

Escrevi também um primeiro tratamento para o longa metragem “Vivendo Outra Vez”, baseado no meu curta, e espero ter novidades em breve sobre isso.

E, finalmente – o Fade Out nasceu como roteiro de cinema, e estou conversando com algumas pessoas sobre fazer o filme aqui nos Estados Unidos.

Pra finalizar, diz pra gente qual seu principal objetivo agora?

Melhorar cada vez mais como artista. Escrever bastante e ver meus projetos saindo do papel. Trabalhar cada vez mais com o que eu mais gosto, que é contar histórias!

E qual a mensagem que gostaria de deixar para seus atuais e futuros fãs?

Quero agradecer o apoio e o carinho de todo mundo que já viu meus filmes, leu meus textos, e principalmente aos fãs do Fade Out! O carinho da galera nos eventos que fizemos com a HQ, por email, Facebook, twitter, é muito, muito legal. É uma grande recompensa, e espero poder sempre retribuir a altura!

Bom galera essa foi a entrevista com Beto Skubs, esperamos que tenham gostado e em breve teremos as entrevistas de Rafael de Latorre e Marcelo Maiolo. Pra quem quiser comprar a HQ pode acessar aqui e aqui.

Se você curtiu a entrevista deixe seu comentário e não se esqueça de curtir nossa página no facebook, CanalNERDOficial, e nos seguir no twitter, @CanalNerd. Até mais.